noticias96 Seja bem vindo ao nosso site Rede Mult de Comunicação!

Notícias

Após perder 'controle' do caso Marielle, Rivaldo Barbosa jogou executores ‘aos leões’ para ‘preservar autores intelectuais’, diz PF.

Publicada em 25/03/24 às 10:45h - 16 visualizações

João Paulo Miranda/Rede Mult de Comunicação


Compartilhe
Compartilhar a noticia Após perder \'controle\' do caso Marielle, Rivaldo Barbosa jogou executores ‘aos leões’ para ‘preservar autores intelectuais’, diz PF.  Compartilhar a noticia Após perder \'controle\' do caso Marielle, Rivaldo Barbosa jogou executores ‘aos leões’ para ‘preservar autores intelectuais’, diz PF.  Compartilhar a noticia Após perder \'controle\' do caso Marielle, Rivaldo Barbosa jogou executores ‘aos leões’ para ‘preservar autores intelectuais’, diz PF.

Link da Notícia:

Após perder 'controle' do caso Marielle, Rivaldo Barbosa jogou executores ‘aos leões’ para ‘preservar autores intelectuais’, diz PF.
 (Foto: G1/Rede Mult de Comunicação)

A alegação de que o delegado Rivaldo Barbosa teria planejado "meticulosamente" o assassinato e buscava desviar o foco para longe dos mandantes é extremamente grave e aponta para uma possível conspiração de alto nível para encobrir os verdadeiros responsáveis pelo crime.

A pressão da sociedade civil e da mídia desempenhou um papel crucial na condução deste caso, destacando a importância da transparência e da responsabilidade das autoridades em casos tão sensíveis. A atenção pública e a exigência por justiça são fundamentais para garantir que crimes como este não fiquem impunes e para manter a integridade das instituições responsáveis pela aplicação da lei.

Espera-se que a investigação continue a ser conduzida de forma diligente e imparcial, a fim de esclarecer completamente os detalhes do assassinato de Marielle Franco e Anderson Gomes e garantir que todos os envolvidos sejam responsabilizados de acordo com a lei.

O matador de aluguel Ronnie Lessa afirmou, em delação premiada à Polícia Federal, que o ex-chefe de Polícia Civil Rivaldo Barbosa perdeu o controle do caso Marielle Franco e decidiu entregar os executores do atentado. Antes do ataque, o delegado teria dado uma garantia prévia de impunidade aos mandantes Domingos e Chiquinho Brazão.


“[Os irmãos Brazão] Estavam revoltados da vida, estavam incorporados porque o Rivaldo estava pulando fora; o Rivaldo virou as costas; e o Rivaldo alegou que não tinha mais como segurar, fugiu a alçada dele, e não tinha mais como segurar, tentaram até onde deu e perdeu o controle”, afirmou Lessa em seu depoimento aos investigadores.

As informações fornecidas sobre as conclusões da Polícia Federal nas investigações do caso do assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes são muito importantes. Se as conclusões indicam que os irmãos Domingos e Chiquinho Brazão, juntamente com o delegado Rivaldo Barbosa, foram os mandantes do crime e que este foi meticulosamente planejado, isso acrescenta uma camada significativa de complexidade ao caso.

Além disso, a constatação de que a grande repercussão do crime interferiu no planejamento dos mandantes destaca o impacto social e midiático desses eventos. A atenção pública e a pressão da mídia desempenharam um papel crucial na condução das investigações e na busca pela verdade e pela justiça.

É fundamental que as autoridades continuem a conduzir as investigações de forma diligente e imparcial, garantindo que todos os envolvidos sejam responsabilizados de acordo com a lei. A transparência e a integridade do processo são essenciais para restaurar a confiança na justiça e no sistema de segurança pública.

“Ainda que tenha conseguido adiar a resolução da investigação por seis anos, a sabotagem do trabalho apuratório esbarrou em uma variável que nenhum dos agentes participantes da empreitada criminosa previu: a magnitude da repercussão midiática do crime”, diz o relatório.



“Com o fim de estancarem a pressão imposta pela sociedade civil e pela mídia, Rivaldo e Giniton, de supetão, conforme será visto adiante, jogaram os executores do delito aos leões e imputaram-lhes a tese do ‘crime de ódio’, com o fim de fechar a tampa da apuração e preservar os autores intelectuais”.

Segundo a PF, Rivaldo Barbosa "foi o responsável por ter o controle do domínio final do fato, ao ter total ingerência sobre as mazelas inerentes à marcha da execução, sobretudo, com a imposição de condições e exigências".

Barbosa assumiu chefia da polícia na véspera do atentado

O ex-chefe da Polícia Civil do RJ Rivaldo Barbosa, preso neste domingo (24), é apontado pela Polícia Federal como mentor do assassinato de Marielle Franco. Ele tomou posse em 13 de março de 2018, um dia antes da execução da vereadora.

Após a delação do ex-PM Ronnie Lessa, acusado de ser o executor do assassinato, a PF concluiu que Rivaldo já tinha uma "relação indevida" com os mandantes antes mesmo do crime.

De acordo com a ordem de prisão, "se verifica claramente que o crime foi idealizado pelos dois irmãos e meticulosamente planejado por Rivaldo".

Segundo a investigação, Rivaldo exigiu que Marielle não fosse morta entrando ou saindo da Câmara. "Tal exigência tem fundamento na necessidade de se afastar outros órgãos, sobretudo federais, da persecução do crime", diz a PF.

O advogado de Rivaldo Barbosa, Alexandre Dumans, disse que seu cliente não obstruiu as investigações das mortes de Marielle e Anderson. "Ao contrário. Foi exatamente durante a administração dele que o Ronnie Lessa foi preso", afirmou.

Um dia depois do crime, Barbosa afirmou que a morte de Marielle era um "atentado contra a democracia.






ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








Nosso Whatsapp

 (85)99180053

Visitas: 20408
Copyright (c) 2024 - Rede Mult de Comunicação
Converse conosco pelo Whatsapp!